Tag Archive | romance

Sugestão de leitura

Uma abelha na chuva

Uma abelha na chuva

[…] É certo que, na esteira do Neorrealismo, as personagens de Uma Abelha na Chuva surgem integradas numa teia de circunstâncias regidas pelo supremo valor do dinheiro. Mas, para além disso, a orquestração da narrativa funda-se em jogos de focalização interna através dos quais temos acesso ao rumor emocional de cada um dos seus agentes, sendo nessa dimensão interior que assistimos ao desencadear dos momentos de avanço da ação. […]

http://www.infopedia.pt/$uma-abelha-na-chuva

Anúncios

Leitura para este dia

Um amor lendário

Um amor lendário

No novo romance de Luís Rosa não é só o tema que nos deleita, pela sua força inspiradora ao narrar uma das mais trágicas paixões que a nossa memória colectiva jamais esqueceu. É também a vibração da escrita de Luís Rosa que nos faz seguir página a página, numa leitura sem quebras, dando-nos o testemunho de um escritor que sabe contar como poucos. Luís Rosa tem esse dom de transmitir as emoções, dando-lhes uma força e comunicabilidade que dir-se-ia estabelecer uma relação de cumplicidade entre autor e leitor. É como se a história estivesse a ser revivida por quem escreve e quem lê. E tudo isto sem esquecer o rigor histórico posto na investigação dos personagens, do ambiente e sobretudo da intriga que culmina na tragédia que se abateu sobre o amor infinito de Pedro e Inês.

http://www.goodreads.com/book/show/6728489-o-amor-infinito-de-pedro-e-in-s

Leitura para este dia

Leituras

(…) E são justamente o engenho e o sonho os alicerces de uma época histórica onde desaguam duas correntes conflitantes – os mitos remanescentes de um passado que estiola e a razão esclarecida, iluminada, de um tempo que se quer novo, futuro. Nas margens revoltas desse tempo vive um homem que inventa, entre a liberdade onírica e a matemática da concretização, um novo mundo, uma nova Lisboa nascida dos escombros da catástrofe insana, e da criatividade lúcida, apaixonada e oportuna da sua mente genial. Eugénio dos Santos e Carvalho foi o arquitecto responsável pela reconstrução de Lisboa após o terramoto de 1755, a figura de proa do governo do Marquês de Pombal, que, num devaneio quase demiúrgico, criou a ordem a partir do caos, e alterou para sempre a fisionomia da cidade em traços que anunciavam já o advento de um novo urbanismo. Mas os homens raramente perdoam um espírito que ousa rasgar horizontes infinitos, e o arquitecto não foi excepção. Abateu-se sobre ele o peso de um lógica de cólera divina na voz alucinada e soberba dos pregadores que vaticinavam as causas da tragédia. O povo, inebriado, deixou-se intoxicar, e o arquitecto viu toldar-se-lhe a mente e encurtarem-se-lhe os dias. Mas para sempre haveria de perdurar a grandeza da sua obra. (…)

http://www.wook.pt/ficha/o-terramoto-de-lisboa-e-a-invencao-do-mundo/a/id/45600